skip to Main Content

O que é andropausa e quais são os seus sintomas? Descubra!

O que é andropausa e quais são os seus sintomas? Descubra!

Andropausa

Quem não conhece a famosa menopausa feminina e os diversos efeitos que pode provocar nas mulheres? Embora, para algumas, a fase passe despercebida, para outras os sintomas podem ser muito incômodos.

O homem também passa por uma experiência de natureza semelhante: a andropausa. Esse fenômeno é decorrente das mudanças fisiológicas naturais que o corpo humano é submetido com o passar da idade. E para conviver com a andropausa com mais harmonia, nada melhor do que conhecê-la bem, não é mesmo?

Se você chegou até aqui e está interessado em saber mais sobre a andropausa, quais as diferenças entre ela e a menopausa, as suas causas e sintomas mais comuns, continue lendo este post e descubra tudo isso e muito mais!

O que é andropausa?

A andropausa é a fase da vida masculina em que ocorre uma redução do hormônio testosterona na corrente sanguínea. Esta situação não leva à falência da condição reprodutora masculina, como ocorre nas mulheres. Entretanto, ela é acompanhada de diferentes outros sintomas que podem afetar a qualidade de vida dos homens.

Essa condição costuma se manifestar a partir dos 40 ou 50 anos, quando normalmente já se deve ter mais cuidado com a saúde. Na faixa dos 70 anos de idade, grande parte dos homens produz 30% menos testosterona, e essa percentagem pode ser progressiva com o passar dos anos.

Qual a diferença entre a andropausa e a menopausa?

Apesar de serem condições parecidas, a menopausa e a andropausa apresentam muitas diferenças entre si. A principal delas está relacionada com a capacidade de reprodução. Quando a mulher entra na menopausa, o estrogênio, que é o hormônio reprodutor feminino, fica reduzido.

Como consequência, o corpo passa a produzir cada vez menos óvulos até, finalmente, perder a capacidade de reproduzir. No entanto, ao contrário das mulheres, os homens quando entram na andropausa não cessam a sua produção de espermas, o que os permite ter filhos em idade muito mais avançada.

Diferentemente da menopausa feminina, não há um momento específico a partir do qual se pode afirmar o estado de andropausa. Por sua vez, muitos homens não manifestam sintomas perceptíveis, ao contrário do que ocorre com as mulheres quando o hormônio feminino estrogênio se reduz.

Outro sintoma comum e conhecido por todos referente à menopausa são as “ondas de calor” que acometem as mulheres. Nos homens esse desconforto não está presente. Além disso, a menopausa é uma fase que se inicia e termina em um determinado período de tempo. Já a andropausa pode se estender por muitos anos.

Quais as suas causas?

As causas da andropausa residem, essencialmente, na diminuição da disponibilidade do hormônio testosterona em circulação no organismo. Esse hormônio é produzido, principalmente, nos testículos, e um pouco nas glândulas suprarrenais.

Na verdade, é a testosterona a grande responsável pelos aspectos que caracterizam a masculinidade e diferenciam o homem da mulher, como os pelos do corpo, a voz, a musculatura e a fertilidade (esperma), dentre outros. Apesar disso, apenas cerca de um terço da população masculina passa por esse processo de redução significativa dos níveis de testosterona que caracteriza a andropausa.

Mas, afinal, o que está relacionado com a queda da testosterona?

Embora a redução de seus níveis seja uma ocorrência natural que se instala com o passar dos anos, também pode ser provocada por algumas condições que afetam a saúde masculina. As alterações endócrinas, por exemplo, podem ser uma das causas para a diminuição do hormônio masculino, já que a produção de hormônios no corpo humano é realizada pelas glândulas endócrinas.

O envelhecimento também é uma das causas desta condição. Com o passar dos anos, o corpo humano entra em declínio e todas as suas funções começam a decair gradativamente, até que algumas delas cessam.

Junto a esses dois problemas fisiológicos existem outras circunstâncias que podem ser a causa do aparecimento da andropausa como, por exemplo, a obesidade, o estresse, o sedentarismo e a depressão.

Quais os principais sintomas?

Em razão dos hábitos de vida diferenciados, assim como pela evolução do processo de envelhecimento diferente para cada homem, os sintomas da andropausa são diversos na população masculina.

No entanto, podem ser listados como sendo sintomas mais comuns:

  • perda de massa óssea;
  • perda de massa muscular;
  • fadiga;
  • pele seca;
  • redução de pelos no corpo;
  • alterações de humor;
  • perda ou diminuição da libido;
  • disfunção erétil;
  • aumento da gordura abdominal;
  • sensação de perda de energia;
  • depressão.

Quem faz parte do grupo de risco?

Como vimos anteriormente, somente 1 a cada 3 homens passa pelo processo de redução da testosterona. Sendo assim, alguns indivíduos são mais propensos a desenvolver a condição do que outros, sendo conhecidos como grupo de risco.

O grupo de risco da andropausa é formado por:

  • diabéticos;
  • sedentários;
  • fumantes;
  • alcoólatras;
  • depressivos;
  • hipertensos;
  • obesos.

Como é realizado o diagnóstico?

O médico responsável por diagnosticar a andropausa é o endocrinologista. A forma mais comum para constatar a condição é por meio de um exame de sangue para avaliar os níveis totais de testosterona.

Os valores de referência considerados normais variam de 300 a 1200 ng/dL. Caso o exame aponte menos de 300 ng/dL, há um indicativo de andropausa. Neste caso, o médico deve solicitar outros procedimentos para confirmar a situação.

Como tratar?

De modo geral, a população masculina vai pouco ao médico para se consultar. Por esse motivo, acaba desconhecendo situações pelas quais pode estar passando.

Urologistas e endocrinologistas são os profissionais que devem ser consultados quando houver suspeita de ocorrência de alguns dos sintomas. Esses profissionais, ao definirem o diagnóstico e concluírem pelo tratamento para a andropausa, geralmente indicam a reposição hormonal.

Desse modo, o paciente fará uso de medicamentos que promovem o aumento dos níveis do hormônio masculino no sangue. Ao mesmo tempo, o médico responsável deve proceder um criterioso acompanhamento dos resultados do tratamento recomendado.

Isso se faz por meio de exames específicos e pela verificação de possíveis efeitos colaterais que podem ser observados em algumas pessoas.

A andropausa é um fenômeno decorrente do envelhecimento. Assim como ela, inúmeros outros efeitos fisiológicos do organismo aparecerão com o tempo. Para que se possa aproveitar a longevidade com qualidade de vida é muito importante consultar o médico com frequência.

E então, gostou do post? Se você achou interessante e quer continuar obtendo informações sobre a andropausa e diversos outros assuntos relacionados à saúde, assine nossa newsletter e aprenda muito mais!

Compartilhe:
Este artigo tem 1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top
×Close search
Buscar