Introdução alimentar de bebê de 6 meses: por onde começar?

Introdução alimentar de bebê de 6 meses: por onde começar?

introducao-alimentar-de-bebe-de-6-meses-por-onde-comecar

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a introdução alimentar de bebê agora deve ser iniciada aos 6 meses. É comum que esse processo gere dúvidas nas mães de primeira viagem, pois existem certos cuidados e até mesmo técnicas usadas para que a criança descubra novos sabores, texturas e aromas.

Se você está passando por essa situação, leia agora mesmo este artigo e saiba exatamente o que fazer na introdução alimentar de bebê de 6 meses!

Comece aos poucos

Aos 6 meses o bebê começa a desenvolver o paladar, o que significa que ele vai começar a distinguir os sabores do que for oferecido a ele. Sendo assim, é comum que ele não goste de um ou outro alimento, o que não quer dizer que você deva parar de oferecê-lo. Substitua a iguaria, mas não deixe de tentar novamente.

Também é nesse momento que podem ser identificadas as alergias, por isso, ofereça um único alimento de cada vez. Assim, se ele passar mal ou tiver alguma reação, você saberá exatamente o que causou o problema.

Varie o cardápio

Depois que a criança já estiver acostumada a experimentar os alimentos, você pode variar mais o cardápio. Com relação a forma de prepará-los, você pode variar entre:

  • Sopas — as sopas são ótimas, já que contém fibras, vitaminas e minerais. Abóbora, mandioquinha, batata, chuchu e cenouras são alguns exemplos de ingredientes que podem ser utilizados. Mas atenção: as sopas devem ser preparadas sem sal. Para temperá-las use temperos naturais.
  • Mingaus — mingaus de cereais, farinha de amido e outros tipos também podem ser oferecidos de acordo com a orientação da nutricionista ou pediatra. Mas lembre-se: nada de adicionar açúcar.
  • Purês de frutas — frutas como mamão, banana e pera podem ser transformadas em purês, basta amassá-las ou esmagá-las. Você pode até cozinhá-las (também sem açúcar), caso ache necessário.

Evite guloseimas

Por mais que pareça fofo ver um bebê todo lambuzado de chocolate ou chupando um pirulito, doces devem ser evitados ao máximo. Durante a introdução alimentar de bebê de 6 meses ele está conhecendo os sabores e, caso se acostume com os alimentos errados, ele pode oferecer resistência aos alimentos saudáveis.

O mesmo vale para alimentos com sal ou industrializados, que contêm muito sódio e outras substâncias.

O consumo exagerado de açúcar e sal pode interferir no desenvolvimento e ocasionar doenças como a diabetes.

Conheça o método BLW

Uma das novidades que está fazendo sucesso quando se trata da alimentação de bebês é o método BLW. Nele os alimentos são oferecidos inteiros, desde que cozidos e em pedaços que possam ser pegos facilmente. O objetivo é que a criança tenha mais autonomia, desenvolva a coordenação motora e a mastigação.

Mesmo que ela ainda não tenha dentes, a gengiva consegue triturar alimentos moles para serem engolidos. E não se preocupe, crianças que já conseguem sentar e levar o alimento à boca não vão se engasgar facilmente. Ainda assim, é indispensável que ela esteja acompanhada durante toda a refeição.

Cerca de 3 a 4 alimentos variados são o suficiente e, quando a criança já não demonstrar interesse pelo alimento, não a force a comer. Nesse momento é importantíssimo ter em mente que o leite materno, ou as fórmulas lácteas, devem continuar sendo a principal forma de alimentação, pois oferecem todos os nutrientes necessários.

Tenha paciência

Seja utilizando o método BLW ou oferecendo as papinhas tradicionais, o importante é ter muita paciência com a criança. Além disso, os pais devem lembrar que são exemplos e precisam demonstrar entusiasmo com os alimentos saudáveis durante as refeições.

A mãe também deve ter a consciência de que o leite materno fica com o sabor daquilo que ela come, por isso também deve investir em uma alimentação saudável, rica em nutrientes. Fique certa de que todo esse esforço durante a introdução alimentar de bebê de 6 meses valerá a pena no futuro.

Gostou do artigo? Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail outros conteúdos que podem te ajudar muito nessa tarefa nem sempre fácil de ser mãe!

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.